14/10

Cuidados na internet e com o primeiro computador

Oi pessoal, na semana passada fiz um post sobre os números de crianças que já são usuários da internet numa pesquisa divulgada pela Folha.

Além dessa informação, a Folha divulgou também na semana passada, uma matéria interessantíssima sobre os cuidados que se deve ter com as crianças no computador e na web de uma forma geral. A matéria foi de Bruno Romani.

O texto fala que, segundo a Norton (empresa de segurança para computadores) pelo menos 62% das crianças e jovens que acessaram a internet no mundo tiveram pelo menos uma experiência negativa on-line.

A pesquisa, que ouviu 2.800 jovens de 8 a 17 anos em 14 países, mostra que 41% receberam convites de amizade por parte de desconhecidos em redes sociais, 33% baixaram pragas virtuais, 25% viram imagens de nudez ou violência e 10% foram convidados para encontros no mundo real.

Fica claro que, com o primeiro computador, surgem mais responsabilidades para os pais. Nas mãos da criançada, o equipamento pode ser uma janela para problemas.

Outro levantamento, divulgado ontem pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, mostra que 21% dos pais ou responsáveis por crianças de cinco a nove anos não controlam nem restringem o que elas fazem na rede.

O estudo, feito nas cinco regiões do Brasil, em áreas urbanas e rurais, mostra que 40% orientam os filhos sobre o uso da web, enquanto 15% bloqueiam sites impróprios. O tema merece bastante atenção. A Norton mostrou que as crianças brasileiras são as que mais passam tempo on-line. Na média, são 18,3 horas por semana, deixando para trás países como Alemanha e EUA. Muitas são as fontes de perigos. O contato com conteúdo impróprio, como violência e pornografia, talvez seja a mais conhecida delas. Uma pesquisa da Kaspersky, publicada no ano passado, mostrou que a cada minuto existem 3.000 tentativas de acesso a conteúdo pornográfico por parte de menores.

Já blogs e redes sociais potencializam o contato com estranhos com a publicação de dados pessoais. Em um estudo com 875 jovens brasileiros, a ONG Safernet mostrou que 73% deles compartilharam fotos e 80% revelaram o nome.

Outros dois problemas podem ser o ciberbullying e o vício em internet.

Ainda segundo a Safernet, 38% das crianças sofreram ciberbullying. Ou seja, foram alvo de humilhações e ataques na internet promovidos por gente próxima, quase sempre colegas de escola.

Com a expansão do mercado móvel, mais uma frente de batalha surgiu para os pais: as compras indevidas em lojas de aplicativos. Em fevereiro deste ano, a FTC, agência que protege os consumidores dos EUA, decidiu investigar a App Store depois de receber reclamações por parte de pais furiosos com compras acidentais.

Para combater tudo isso, não adianta só instalar um antivírus no computador. É necessário conversar e ouvir a criança, botar a mão na massa e navegar com ela.

Olhem que legal essas dicas ilustradas para nossas crianças (e papais).

Você pode ler a matéria na íntegra no site da Folha.

Até a próxima!

Gostou?

Seu comentário: